segunda-feira, 28 de maio de 2012

TAPA de Tomate confitado e presunto serrano

Oi pessoal

Gravei um tomate confitado e servi com presunto serrano como um TAPA para o Programa Toda Tarde, estou colocando para quem não pode assistir.
Façam seus comentários....

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Risoto de bacalhau

Com o frio vai bem um risoto, e esse de bacalhau ficou uma delícia...


Risoto de Bacalhau

100g de Arroz arbóreo
30ml de Vinho branco seco
80g de Cebola brunoise (cubinhos pequenos)
50g de Bacalhau em lascas
30g de Tomate cereja
10g de Ervilhas congeladas
10g de Azeitonas pretas fatiadas
10g de Pimentão amarelo em cubos grandes
Aproximadamente 300ml de Fundo de legumes
50g de Manteiga gelada

Modo de preparo
1- Suar a cebola com 2 colheres de manteiga até ela ficar translúcida.
2- Agregue o arroz arbóreo e refogue com a cebola rapidamente.
3- Coloque o vinho na panela e deixe evaporar o álcool.
4- Agregue as lascas de bacalhau e vá acrescentando aos poucos o fundo de legumes quente. Mexa às vezes para não grudar e vá acrescentando o fundo de legumes.
5- Após 15 minutos acrescente o pimentão em cubos.
6- Quando faltarem 5 minutos para finalizar o risoto agregue as ervilhas congeladas, as azeitonas fatiadas e o tomate cereja.
7- Quando estiver al dente acrescente a manteiga gelada, desligue o fogo, mexa para incorporar, tampe a panela e espere 5 minutos para servir.
8- Sirva imediatamente.

Obs: Eu utilizei os ingredientes que tinha em casa, mas pode acrescentar floretes de brócolis branqueado ou vagem, ou ingredientes que utilizaria em uma bacalhoada.

Fundo de legumes
1,2l água
200g cebola
100g cenoura
100g salsão
1 talo de alho poró

Modo de preparo:
1- Corte os vegetais do mesmo tamanho, adicione água fria e leve ao fogo.
2- Quando começar a ferver abaixe o fogo e tampe.
3- Deixe no fogo baixo por aproximadamente 40 minutos. Coe.

domingo, 20 de maio de 2012

6o Paladar Cozinha do Brasil

Há alguns anos o Estadão promove um evento de gastronomia e enologia com palestras e degustações.
O site com todas as informações é: http://blogs.estadao.com.br/paladarcozinhadobrasil/programacao/sexta-29-de-julho-2/

Abaixo coloco a programação para vocês acompanharem:

Sexta, 29 de Junho

Aulas
AULA 1 – PEIXE TOTAL
Alex Atala
Em uma aula técnica que abrirá a 6ª edição do Paladar – Cozinha do Brasil, Alex Atala vai “pescar” todos os assuntos relacionados ao peixe. Falará sobre a arte da pesca, a manipulação e o manejo do peixe na cozinha e dará dicas anti-desperdício, ensinando a usar outras partes do peixe que não sejam o filé. Como todo o universo da pescaria será contemplado, a aula terá convidados especiais.
Aula teórica, sem receitas e sem degustação
Horário: 11 horas
Duração: 1h30
Local: Salas Palm I e II
Valor: R$ 190
avançadoteorico

AULA 2 – BOTECOS DO BRASIL
Eduardo Maya
Eduardo Maya fará uma viagem por petiscos mais representativos da diversidade dos botecos no Brasil, de Norte a Sul. Serão apresentados vários petiscos e tira-gostos de Manaus, Belém, Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte e Goiânia.
Aula com receitas e degustação.
Horário: 14 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 3 – PATAUÁ, MAS EXTRA-VIRGEM
Ana Luiza Trajano e Paulo de Abreu e Lima
A aula do pesquisador Paulo Lima e da chef Ana Luiza Trajano ilustrará uma pesquisa inédita. A entrada será de vieiras nativas do Rio de Janeiro; o prato principal será o arroz vermelho, da Paraíba, acompanhado por um peixe consumido no mesmo Estado; para encerrar, uma sobremesa com a “cereja atlântica” de São Paulo.
Aula com receitas e degustação.
Horário: 14h30
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm II
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 4 – PEIXES POBRES, PRATOS NOBRES
Edinho Engel e Juarez Campos
No ano passado o chef Edinho Engel mergulhou no caldo de feijão, trazendo uma dezena de exemplares para o público experimentar. Nesse ano vem para falar de peixe. Mas nada de “peixão metido”. Junto com o chef Juarez Campos, um especialista em moqueca capixaba, ensinará ao público como os peixes baratos do litoral (sardinha, budião azul, manjuba, peroa, arraia e outros) podem se transformar em pratos sofisticados. Um exemplo? O tartare de carapau.
Aula com receitas e degustação.
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 140
intermediárioreceitadegustacao

AULA 5 – O QUINTAL NA PANELA CAIÇARA
Ana Bueno
A chef do Banana da Terra, em Paraty, fará uma apresentação sobre os princípios básicos da cozinha caiçara (que exerce forte influência sobre seu restaurante). Para mostrar um pouco de sua cozinha, executará pratos com frutos do mar, frutas e doces tradicionais da cidade.
Aula com receita e degustação.
Horário: 16 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 6 – PELOS BOTECOS DO RIO
Guilherme Studart
Os quitutes mais representativos dos botecos cariocas, executados ao vivo.
Aula com receitas e degustação.
Horário: 16h30
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm II
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 7 – PEIXES E CÍTRICOS
Alberto Landgraf
Um dos chefs que mais se destacaram na cena gastronômica paulistana em 2011, Alberto Landgraf abordará em sua aula desde questões referentes à pesca sustentável até diferentes técnicas de preparo de peixes. Para cada tipo de peixe será utilizada uma técnica específica (cocção à frio, sauté e cocção à vácuo), combinada com alimentos cítricos que realçarão os sabores dos pratos.
Aula com receitas e degustação.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 90
avançadoreceitadegustacao

AULA 8 – LENDO O CAFÉ NA XÍCARA
Ensei Neto
Um bom café depende de uma lista de cuidados e é sobre eles que Ensei Neto falará em sua aula. Como a fruta de café, a secagem e a torra do grão podem ser percebidos na xícara? Além disso, Ensei as diferenças sutis (ou não) entre cafés de diferentes origens e terroirs.
Aula com degustação, sem receita.
Horário: 18h30
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm II
Valor: R$ 90
intermediáriodegustacao

AULA 9 – VEGETAIS ORGÂNICOS: DO CULTIVO À MESA
Rafael Costa e Silva e Aly Pais
As hortas da região serrana do Rio de Janeiro são a base dessa aula. O chef Rafael fará receitas com ingredientes orgânicos cultivados na região sob a orientação do engenheiro agrônomo Aly Pais.
Aula com receita e degustação.
Horário: 19 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 90
avançadoreceitadegustacao

AULA 10 – COZINHA E MESA PAULISTA
Ivan Achcar e Bella Masano
Nessa aula, a cozinha paulista clássica será revisitada por Ivan Achcar e Bella Masano, dois importantes chefs de São Paulo. Ivan se dedicou à pesquisa de pratos simples, como arroz e feijão; Bella apresentará um panorama histórico da gastronomia no Estado. Juntos, mostrarão o que há de mais representativo à mesa paulista.
Aula com receita e degustação.
Horário: 19 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
intermediárioreceitadegustacao

Aula externa
NO MERCADO DE PESCADOS – VISITA À CEAGESP
com Alberto Landgraf
Na madrugada, o público vai acompanhar a chegada do carregamento de peixes descobrir quais são os mais desejados do mercado e as variedades de cada temporada, entender toda a logística do maior mercado de peixe de São Paulo e ver de perto como funciona o ”mundo CEAGESP”.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 4 horas.
Horário: 1 hora
Duração: 3h30
Dica para os participantes: levar galocha e capa impermeável.
Valor: R$ 180
Público: todos

Palestras
PALESTRA 1 – SORVETES E SORBETS DE FRUTAS BRASILEIRAS
Nick Johnston
Um dos donos da sorveteria Bacio di Latte, Nick promoverá uma degustação de sorvetes e sorbets produzidos com exclusividade para o evento, a partir de frutas que representam a diversidade do Brasil.
Palestra com degustação
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos
degustacao

PALESTRA 2 – À MESA COM PEDRO NAVA
Humberto Werneck
A obra de Pedro Nava trata com muita ênfase da cozinha e da mesa. Nessa conversa, Werneck guiará o público por passagens marcantes que envolvem comidas e bebidas.
Palestra sem degustação
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos
Degustações

DEGUSTAÇÃO 1 – VERTICAL VALLONTANO
Luiz Horta
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
intermediáriodegustacao

DEGUSTAÇÃO 2 – CAMPANHA GAÚCHA: BRANCOS E ESPUMANTES
José Luiz Pagliari
Panorama da Campanha Gaúcha vitivinícola, com painel de prova de vinhos brancos e espumantes das diversas sub-regiões.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
intermediáriodegustacao

DEGUSTAÇÃO 3 – A CERVEJA BRASILEIRA
Roberto Fonseca
Uma viagem pelo universo da cerveja no Brasil, com destaque para os produtores mais representativos e suas diferenças e semelhanças de sabores.
Horário: 19 horas
Duração: 1 hora
Público: básico
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80

Sábado, 30 de Junho
Aulas
AULA 1 – ALMA DE FRUTA
Ana Soares, Mara Salles e Neide Rigo
Elas já exploraram as farinhas, os sabores amargos, a galinha e os invólucros.
Na 6ª edição do Paladar Cozinha do Brasil o trio integrado por Ana Soares, Mara Salles e Neide Rigo desvendará ao público os sabores das frutas. Vai querer em broto, de vez, verdolenga, madura,passa, passada ou seca? Além de surpreender as pessoas com esse extenso “dicionário de frutas”, as três ainda vão mostrar como usá-las em pratos doces, salgados e em conservas.
Aula com receita e degustação.
Horário: 11 horas
Duração: 1h30
Local: Salas Palm I e II
Valor: R$ 190

intermediárioreceitadegustacao
A DESCOBERTA DE SABORES BRASILEIROS COM TÉCNICAS DE ALAIN DUCASSE
Sylvain Dalle, chef-executivo da Estácio – Alain Ducasse Formation
O objetivo é valorizar a autenticidade, a origem e a qualidade dos produtos nacionais. O chef trabalhará as diferentes técnicas relacionadas à filosofia de Alain Ducasse. Será apresentada uma receita típica brasileira com leitura contemporânea.
Aula com receita e degustação
Horário: 11h30
Local: Sala Palm III
Duração: 1 hora
Valor: Aula gratuita oferecida pela Estácio
iniciantereceitadegustacao

Nível: básico
AULA 2 – BOCAIÚVA, PALMEIRA PANTANEIRA
Magda Ortiz
A Bocaiúva, palmeira nativa do Pantanal, é muito nutritiva e apresenta inúmeras possibilidadesde preparo. A chef de Campo Grande executará pratos da região pantaneira e fará algumas releituras de comidas típicas, tanto com a farinha como com a fibra. Também será exibido um vídeo que apresenta o trabalho de coleta da palmeira realizado pelos índios.
Aula com receita e degustação.
Horário: 14 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
intermediárioreceitadegustacao

AULA 3 – CAFÉ COM BOLO
Heloisa Bacellar e Ensei Neto
A dona do Lá da Venda Helô Bacellar vai mostrar receitas simples, fáceis e rápidas que resultam em bolos surpreendentes. Depois que já tiverem saído do forno, os bolos serão harmonizados por Ensei Neto com diferentes cafés. Qual será a melhor dupla?
Aula com receita e degustação.
Horário: 15h30
Duração: 1 hora
Público: Nível Básico
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 140
iniciantereceitadegustacao

AULA 4 – BELÉM, BÉLEN: DUAS AMAZÔNIAS
Mara Salles e Pedro Schiaffino
Os chefs apresentarão produtos do mercado de Belén, em Iquitos, e do Ver-o-Peso, em Belém do Pará. E além das iguarias mostrarão, através dos pratos que executarão ao vivo, suas visões particulares sobre as Amazônias peruana e brasileira.
Aula com receita e degustação.
Horário: 15h30
Duração: 1 hora
Sala Palm II
Valor: R$ 140
intermediárioreceitadegustacao

AULA 5 – POR DENTRO DO EMBUTIDO
Mônica Rangel
A proposta é colocar a mão na massa, quer dizer, na carne. Mônica, especialista em embutidos aromatizados com ervas, feitos a partir de técnicas seculares, vai ensinar ao público que embutidos são menos misteriosos (e ainda mais saborosos) do que parecem ser. Aula com receita e degustação.
Horário: 16 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
intermediárioreceitadegustacao

MEMÓRIAS GASTRONÔMICAS E PATRIMÔNIOS BRASILEIROS
Guta Chaves e Elzinha Nunes
A dupla falará da importância de preservar as receitas familiares como forma de salvaguardar as tradições regionais. Também serão abordados os patrimônios e materiais brasileiros registrados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Cultural e Artistico Brasileiro), como o queijo mineiro (do Salitre, do Serro e da Canastra) e as paneleiras do bairro de Goiabeiras, em Vitória. Elzinha fará uma receita do Vale do Jequitinhonha, o fubá suado.
Aula com degustação
Horário: 17h30
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: Aula gratuita oferecida pela Estácio
iniciantedegustacao

AULA 6 – RELEITURAS DE ARROZ, BATATA E BIFE
Carla Pernambuco
A chef Carla Pernambuco sempre traz receitas saborosas e práticas. Agora apresentará releituras da combinação clássica “arroz, batata e bife”, como a receita com carne de sol, pamplona e confit de picanha. E se sobrar? Carla trabalhará também a questão do reaproveitamento das sobras desses pratos.
Aula com receita e degustação.
Horário: 18 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm II
Valor: R$ 140
iniciantereceitadegustacao

AULA 7 – SUSTENTABILIDADE NA COZINHA
Roberto Smeraldi e José Barattino
Como tornar a cozinha verde? Como mapear os rastros dos produtos utilizados? Quais aspectos são mais importantes: a proximidade ou o manuseio? Em meio a muitas perguntas, Smeraldi e Barattino abordarão uma questão urgente na cozinha hoje, a sustentabilidade.
Aula com receita e degustação.
Horário: 18 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 140
avançadoreceitadegustacao

Aulas externas
DESTRINCHANDO O PORCO COM JEFFERSON RUEDA – AULA PRÁTICA NO AÇOUGUE
Jefferson Rueda
Em um ambiente que não poderia ser mais apropriado – o açougue de seu restaurante Attimo – Jefferson Rueda vai destrinchar o porco. Primeiro, fará uma demonstração dos cortes mais comuns (e incomuns) da carne suína. Depois vai trabalhá-las na cozinha para então servir petiscos variados aos convidados.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 15 horas
Horário: 9 horas
Duração: 6 horas
Valor: R$ 230
Público: todos

TUDO SOBRE A FARINHA DE TRIGO – VISITA AO MOINHO ANACONDA
Rogério Shimura
No Moinho Anaconda, você acompanhará todo o percurso do grão de trigo até virar farinha. O chef Rogério Shimura, sócio de Alex Atala na padaria Em Nome do Pão, vai falar sobre as diferenças entre os grãos de trigo e como elas influenciam no produto final. Sempre quis saber mais sobre o pão francês de cada dia? Shimura explicará o parentesco entre o pão francês brasileiro e a baguete francesa.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 14 horas
Horário: 9 horas
Duração: 4h30
Valor: R$ 180
Público: todos

HORTA DE APARTAMENTO – VISITA AO VIVEIRO SABOR DE FAZENDA
Silvia Jeha
Com a ajuda da irmã Sabrina, Silvia Jeha irão mostrar como é mais simples do que parece ter uma horta em sua casa (ou apartamento). No viveiro orgânico Sabor de Fazenda, a dupla vai passear com os visitantes entre suas ervas e temperos, explicando todas as etapas de cultivo de maneira didática. Depois, com a ajuda das meninas, o grupo vai plantar sua própria muda (e aprender a cultivá-la em casa). O programa começa com um farto café da manhã que inclui pão com ervas, bolo de fubá, chás e sucos – tudo “perfumado” com os produtos do viveiro.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 14 horas
Horário: 9 horas
Duração: 4h30
Valor: R$ 180
Público: todos

NOS BASTIDORES DOS RESTAURANTES DE ALEX ATALA
Equipe Alex Atala
Visita guiada para conhecer os bastidores das cozinhas de dois restaurantes, o D.O.M e o Dalva e Dito. Por que um tem um equipamento que o outro não tem? Quais são as necessidades de cada um? Como orientar a brigada de serviço? Como funciona cada praça? Essas e outras perguntas serão respondidas durante as visitas. Haverá visita à padaria Em Nome do Pão. E, para fechar, o grupo apreciará um petisco em cada um dos restaurantes.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 19h00.
Horário: 15 horas
Duração: 4 horas
Valor: R$ 180
Público: todos

Palestras
PALESTRA 1 – O BRASIL NA MESA
Roberto DaMatta
O que representa a comida no Brasil? Qual o papel da cozinha na sociedade brasileira? Quais as diferenças entre alimento e comida? Guiado por essas e muitas outras questões, o antropólogo Roberto DaMatta fará uma análise sobre o papel da comida e suas múltiplas interpretações.
Palestra sem degustação
Horário: 11 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos

PALESTRA 2 – MEL DE ABELHAS NATIVAS
Jerônimo Villas Boas
Panorama sobre méis de abelhas nativas brasileiras, com degustação de méis de diferentes regiões. Jerônimo irá apresentar a história da criação de abelhas e da produção de mel no Brasil, vai falar sobre as características das abelhas nativas do País e os parâmetros que definem sua diversidade de aromas. Abordará também as linhas de pesquisa sobre a análise sensorial.
Palestra com degustação.
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
intermediáriodegustacao

PALESTRA 3 – QUEIJOS BRASILEIROS
João da Luz
Panorama sobre os queijos brasileiros mais representativos do País, com degustação de cada um deles e descrição sobre a produção.
Palestra com degustação.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
intermediáriodegustacao

PALESTRA 4 – COMIDA DE RAIZ DO SERTÃO
Ana Rita Suassuna
No ano passado, ela dividiu a cena com Rodrigo Oliveira, chef do Mocotó. Agora Ana Rita Suassuna mergulha sozinha na cozinha do semiárido. Na palestra, vai falar principalmente das antigas formas de preparo de pratos triviais. Caso do rubacão, da farofa de queijo de manteiga,do pirão de cuscuz, da galinha de comboieiro… Além de cozinhar, Ana apresentará os utensílios tradicionalmente usados na execução dos pratos.
Palestra com degustação.
Horário: 19 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Zirconium
Valor: R$ 70
intermediáriodegustacao

Degustações
DEGUSTAÇÃO 1 – CAFÉ DA MANHÃ BÁRBARO
Roberto Fonseca
No cardápio: salsicha, pretzel e cerveja de trigo. A ideia dessa degustação é recuperar uma tradição europeia, com produtos 100% nacionais, feitos no Rio Grande do Sul.
Horário: 11 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 2 – CACHAÇAS DOC
Mauricio Maia
Cachaças gaúchas, de Salinas, de Paraty, paulistas, entre outras, com destaque para as diferenças e semelhanças de cada região produtora.
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 3 – COMO ANDA O NOSSO VINHO
Elizabeth Vianna e Luiz Horta
O Brasil e o mundo: comparação às cegas de vinhos brasileiros com vinhos do mundo e avaliação feita junto ao público de como anda a vinicultura nacional.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
intermediáriodegustacao

DEGUSTAÇÃO 4 – MIXOLOGIA BRASILEIRA
Marco De La Roche
Valorizando os ingredientes regionais e bebidas típicas em algumas regiões do Brasil, o barman Marco apresentará receitas de drinques com ingredientes como tiquira, schochu, baru e canjinjim.
Horário: 19 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 5 – ENO-XAMANISMO
Heloisa Lupinacci e Luiz Horta
Nem degustação, nem harmonização. Essa atividade está mais para brincadeira. Será proposto um jogo de combinar. A ideia é tomar vinho e decifrar o som que ele sugere, que música dá vontade de ouvir, qual obra de arte está escondida no retrogosto. Nada científico. Tudo livre-associação.
Degustação
Horário: 20h30
Duração: 1h30
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 135
Público: todos

Domingo, 1º de Julho
Aulas
AULA 1 – PÃES DO BRASIL: PÃO FRANCÊS, PÃO ITALIANO, PÃO SÍRIO…
Rogério Shimura
Coordenados por Rogério Shimura, padeiros convidados farão um ”raio x” dos pães mais apreciados no Brasil, especialmente aqueles trazidos pelas colônias mais representativas em São Paulo, a italiana e a árabe. O público participará ao final, amassando pães.
Aula com receita e com degustação.
Horário: 10 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm III
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 2 – FARINHA COM FARINHA: DA ENTRADA À SOBREMESA
Thiago Castanho e Rodrigo Oliveira
Haja farinha! O chef que é hoje o grande representante da cozinha da Amazônia, Thiago Castanho, e o chef que é o grande representante do Nordeste em São Paulo, Rodrigo Oliveira, executarão receitas com farinhas diversas. Vai ter de batata doce, de tapioca, farinhas d’água, farinha biju, torradas, quebradinhas…
Aula com receita e degustação.
Horário: 11 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: R$ 140
intermediárioreceitadegustacao

AULA 3 – COZINHA CAIPIRA
João Rural
Os princípios da cozinha caipira serão explorados pelo estudioso João Rural. O culinarista caipira falará sobre os pratos mais emblemáticos da roça, a cultura tropeira e o papel do fogão à lenha. O público vai aprender as receitas do bolinho caipira e do café com rapadura, entre outras iguarias.
Aula com receita e com degustação.
Horário: 12 horas
Duração: 1 hora
Sala Palm III
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 4 – PACA DINAMARQUESA NO CERRADO
Simon Lau
O chef dinamarquês executará nessa aula pratos com carne de paca, usando técnicas dinamarquesas. Depois vai servir o prato acompanhado de iguarias do Cerrado.
Aula com degustação.
Horário: 13 horas
Duração: 1 hora
Sala Palm II
Valor: R$ 140
avançadodegustacao

AULA 5 – A SOBRA DO CHURRASCO
Helena Rizzo e Roberto Bins Jr.
O pai da chef Helena Rizzo, Roberto, é sua referência quando o assunto é churrasco. Com toda a delicadeza que imprime em seus pratos no Maní, Helena ensinará como trabalhar as sobras do churrasco em casa. O cardápio surpreenderá quem está acostumado a frequentar seu restaurante: carne louca, arroz de carreteiro e berinjela na brasa.
Aula com receita e degustação.
Horário: 14 horas
Duração: 1h30
Sala Palm I
Valor: R$ 140
intermediárioreceitadegustacao

AULA 6 – A COZINHA NA LITERATURA DE JORGE AMADO
Paulinho Martins
A vasta mesa de Jorge Amado, representativa da cultura baiana, como sua obra em geral, dará o norte para essa aula do chef Paulinho Martins. Paulinho vive em Ilhéus e é proprietário do restaurante do Bataclan, antigo bordel que é um dos principais cenários de Gabriela, Cravo e Canela, obra de Amado.
Aula com receita e com degustação.
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Sala Palm II
Valor: R$ 90
iniciantereceitadegustacao

AULA 7 – ORIGEM SERTANEJA
Rodrigo Oliveira e Wanderson Medeiros
Rodrigo, chef do restaurante pernambucano Mocotó, e Wanderson, chef do Picuí, em Maceió, farão um tributo às respectivas origens nesta aula conjunta. Revisitarão os pratos clássicos da cozinha sertaneja, com foco em ingredientes pouco explorados na gastronomia contemporânea.
Aula com receita e degustação.
Horário: 15h30
Duração: 1 hora
Sala Palm III
Valor: R$ 140
intermediárioreceitadegustacao

FUSÃO DA COZINHA BRASILEIRA COM A TRADIÇÃO ITALIANA
Jonathan Lauriola, professor da Estácio formado pela Alan Ducasse Formation
Pratos tradicionais da culinária nacional serão executados com técnicas italianas. A brincadeira é misturar a variedade de ingredientes brasileiros com a tradição gastronômica italiana.
Aula com receita e degustação
Horário: 16 horas
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm I
Valor: Aula gratuita oferecida pela Estácio
iniciantereceitadegustacao

AULA 8 – O CHOCOLATE NO BRASIL – CONVIDADOS DO SALÃO DO CHOCOLATE
Diego Badaró
Convidados do Salão do Chocolate, incluindo o dono da marca AMMA, apresentarão um panorama do chocolate no Brasil, avaliando a produção nacional em comparação com a do resto do mundo.
Aula com degustação, sem receita.
Horário: 17h30
Duração: 1 hora
Local: Sala Palm II
Valor: R$ 140
avançadodegustacao

AULA 9 – ARROZ DE FESTA – A FESTA DO ARROZ
Edinho Engel
No ano passado foi a festa do feijão, esse ano é a do arroz. Edinho vai explicar as diferenças entre as variedades agulhinha tipos 1 e 2, cateto, parabolizado, vermelho, integral e preto. Cada um deles é melhor para uma coisa. Canja, bolinhos, farinhas, biscoitos ou arroz doce? Isso sem falar nos pratos principais.
Aula com receita e com degustação.
Horário: 18 horas
Duração: 1h30
Sala Palm I
Valor: R$ 190
intermediárioreceitadegustacao
Aulas externas

VISITA À FAZENDA FAMÍLIA ORGÂNICA, com José Barattino
A Família Orgânica é uma associação de produtores rurais de Campinas que fornece produtos e serviços ligados à Agricultura Orgânica e Biodinâmica. Os visitantes serão recepcionados com um café acompanhado de um bolo. Depois, saberão sobre os preceitos de produção e manejo e farão um tour pela fazenda. No fim, será servido um almoço caipira coordenado por Barattino.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 16 horas.
Horário: 8h30
Duração: 8 horas
Valor: R$ 230
Público: todos



PARAISÓPOLIS GASTRONÔMICA, com David Hertz
Visita à comunidade de Paraisópolis, guiada pelo chef David Hertz. O foco é a alimentação como inclusão social. Além de visitar alguns projetos nessa linha, David conduzirá o grupo pelos restaurantes clássicos do bairro.
Ponto de encontro: Hyatt, retorno previsto para as 15 horas.
Horário: 11 horas
Duração: 4 horas
Valor: R$ 180
Público: todos
Palestras

PALESTRA 1 – CRÍTICA GASTRONÔMICA
Luiz Américo Camargo
O papel da crítica, os critérios, os procedimentos e as principais questões cotidianas do jornalismo gastronômico no Brasil.
Horário: 11 horas
Duração: 1 hora
Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos

PALESTRA 2 – COMIDA NA INTERNET E NAS REDES SOCIAIS – O NOVO CONTEÚDO GASTRONÔMICO
Diogo Carvalho
O foco desta palestra é a comida a partir da visão do novo consumidor: registros e depoimentos de comensal para comensal, com foco em linguagem, comportamento e crowdsourcing.
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos

PALESTRA 3 – FOTOGRAFIA DE COMIDA
Cristiano Mascaro
Cristiano Mascaro mostrará uma sequência de fotografias de comida (de viagens, de feira, de comida de rua…) no exato momento antes de serem devoradas, explicando as técnicas, circunstâncias e particularidades das imagens.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Sala Zirconium
Valor: R$ 70
Público: todos
Degustações

DEGUSTAÇÃO 1 – CERVEJAS CURIOSAS E HIDROMEL
Roberto Fonseca
No universo cervejeiro, nem tudo é cerveja. O hidromel é um primo distante da cerveja, a primeira bebida fermentada.
Horário: 11 horas
Duração: 1 hora
Sala Aurum
Valor: R$ 80
intermediáriodegustacao

DEGUSTAÇÃO 2 – CAMPANHA GAÚCHA: TINTOS
José Luiz Pagliari
Panorama da Campanha Gaúcha vitivinícola, com painel de prova de vinhos tintos das diversas sub-regiões.
Horário: 13 horas
Duração: 1 hora
Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 3 – OUTROS DESTILADOS BRASILEIROS: GRAPPA, BRANDY E TIQUIRA
Cesar Adames
Além da cachaça, o Brasil produz ótimos destilados que serão comentados, degustados e avaliados.Degustação
Horário: 15 horas
Duração: 1 hora
Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 4 – VINHOS DO BRASIL E DO MUNDO
Luiz Horta
Um percurso gustativo por vinhos brasileiros, comparando-os com expoentes da produção mundial.
Horário: 17 horas
Duração: 1 hora
Sala Aurum
Valor: R$ 80
Público: todos
degustacao

DEGUSTAÇÃO 5 – DUELO DE HARMONIZAÇÃO
Gabriela Monteleone, Manoel Beato e Henrique Fogaça
Nesta aula-degustação, o chef do Sal Gastronomia, Henrique Fogaça, criará pratos que o casal Beato e Gabriela harmonizará com vinhos distintos.
Aula com degustação de comida e bebida
Horário: 17h30
Duração: 1h30
Sala Palm III
Valor: R$ 135

sábado, 19 de maio de 2012

Salmão na folha de bananeira

No sábado antes do dia das mães fizemos um almoço para comemorar.
Fiz um salmão na folha de bananeira, bem fácil de fazer e o pessoal adorou.

Salmão na folha de bananeira

Cortei postas grossas de salmão, fiz um molho com dill picado, raspas e suco de limão siciliano, azeite e pouco sal.
Coloquei esse molho em cada posta, após passar as folhas cortadas e lavadas pela chama do fogão, coloquei o salmão na folha e amarrei com barbante.
Cobri o fundo da assadeira com as folhas, coloquei o salmão enrolado e coloquei folhas por cima para cobrir.
Quando as pessoas chegaram foi só levar ao forno por no máximo 10 minutos, depende do forno e de como você quer servir, menos ou mais passado.
Para servir tirei de dentro das folhas, e servi o molho à parte. Acrescentei ao molho pimenta dedo de moça bem picada.

E para sobremesa fiz brownie de chocolate e sorvete de frutas vermelhas.

Brownie com sorvete de frutas vermelhas

A pedidos estou colocando as receitas do brownie e do sorvete...

Existem várias receitas de bownie na internet, o segredo para o brownie ficar úmido é o forno. Deixar o tempo certo, e como cada forno é diferente (as temperaturas variam) o certo é você testar no seu forno.

Ingredientes
200 g de manteiga

170 g de chocolate meio amargo
3 ovos
1 1/2 xícara (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
3 colheres (chá) de fermento em pó
170 g de chocolate branco

Modo de Preparo
1. Preaqueça o forno a 180°C (temperatura média). Unte uma assadeira retangular média com manteiga e polvilhe com farinha de trigo.
2. Passe a farinha e o fermento em pó pela peneira para uma tigela. Pique grosso o chocolate branco e misture com a farinha e o fermento. Reserve.
3. Escolha uma tigela de vidro (ou de inox) que encaixe sobre uma panela para fazer um banho-maria. Pique o chocolate meio amargo. Transfira para a tigela e junte a manteiga.
4. Coloque dois dedos de água na panela e leve ao fogo alto. Quando ferver, abaixe o fogo e encaixe a tigela com o chocolate e a manteiga sobre a panela. O segredo é não deixar a água encostar no fundo da tigela e tomar cuidado para que o encaixe dos recipientes seja perfeito, evitando o vazamento do vapor. Quando o chocolate começar a derreter, misture bem com a manteiga. Assim que a mistura ficar lisa, retire do banho-maria.
5. Numa batedeira, junte o açúcar e os ovos. Bata em velocidade alta por cerca de 3 minutos ou até que a mistura fique esbranquiçada. Desligue a batedeira e, aos poucos, misture com uma espátula o chocolate derretido. (Como o chocolate ainda estará quente, se colocado de uma vez, poderá cozinhar os ovos.)
6. Na tigela com a massa de chocolate, adicione aos poucos a mistura de farinha com o chocolate branco, mexendo delicadamente. Transfira a massa para a assadeira untada.
7. Leve ao forno preaquecido para assar por cerca de 20 minutos. A massa ainda deve estar úmida quando sair do forno (com a aparência de um bolo ligeiramente cru). Deixe esfriar e sirva com creme batido ou sorvete de creme. (Se assar demais, vira bolo, e não brownie.)
8. Se quiser servir o brownie quente, deixe esfriar e desenforme. Em seguida, leve ao forno preaquecido a 160ºC (temperatura média) por 5 minutos.

Essa receita eu peguei do site http://panelinha.ig.com.br/site/receita/receita.php?id=422 da Rita Lobo.

Eu gosto de colocar nozes no Brownie, nesse eu não coloquei nem as nozes nem o chocolate branco pois eu ia combinar com o sorvete de frutas vermelhas.

Sorvete de frutas vermelhas

Ingredientes
500g de Frutas vermelhas congeladas (amora, framboeza, mirtilo, morango) use o que preferir
150g de frutas frescas (a receita original sugere mirtilo, eu usei ameixa vermelha)
4 colheres de sopa de Mel
500g de Iogurte natural
Algumas Folhas de hortelã

Preparo
1- Coloque todos os ingredientes no liquidificador, bata e leve para o freezer até a hora de servir.

Essa receita peguei do site http://www.jamieoliver.com/ do Jamie Oliver, como ia servir com o brownie quis deixar o sorvete leve e fresco e usei só o iogurte como indica a receita. Ele quase parece um sorbet pois o iogurte tem pouca gordura.
As pessoas na minha casa acharam um pouco forte o gosto das frutas, sugiro usar creme de leite fresco batido no ponto de chantilly, também para deixar o sorvete mais cremoso, porém ele ficará mais pesado e calórico.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Aula com Manoel Beato

A semana passada tivemos uma aula na ABS/SP com Manoel Beato.
Ele nos contou um pouco de sua experiência, afinal são mais de 20 anos de história.

Batata Brava

Bom dia


Hoje às 13:45 vai ao ar um programa que gravei fazendo TAPAS, no SBT. Hoje será Batata Brava.
O programa é: http://www.todatarde.com.br/
Quem puder assistir... Depois dêem sua opinião.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Creme Brûlée

Bom dia

Hoje às 13:45 vai ao ar um programa que gravei fazendo Creme Brûlée, no SBT.
O programa é: http://www.todatarde.com.br/
Quem puder assistir... Depois dêem sua opinião.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Mestre Derivan

Tivemos uma aula de coquetéis na ABS/SP com o Mestre Derivan.
Além de nos contar a história da coquetelaria (que é muito bacana), ele preparou alguns coquetéis para conhecermos.












segunda-feira, 7 de maio de 2012

Programa Toda Tarde

Tive o prazer de fazer uma gravação para o Programa Toda Tarde do SBT - 2a a 6a 13:45 http://www.todatarde.com.br/
Quando eu souber a data que passará aviso.
Gostaria de agradecer ao pessoal da Todeschini de Sorocaba que nos recebeu de braços abertos.  http://www.todeschinisorocaba.com.br/
Também gostaria de agradecer ao pessoal do Mercadão Campolim como a Mercatto Decorações que me emprestou as louças, a Cellar Experts, o Cerealista Namie, o Bacalhau e Companhia, o Empório Urbano, o Clube do Churrasqueiro. E no Shopping Granja Olga o Kana Mar.
Estão gravando receitas de vários países, abaixo apresento as receitas que fiz.


Crème Brûlée

Ingredientes para 4 Porções
Custo estimado da receita R$ 27,39
Custo estimado por porção R$ 6,85

Leite 250 ml
Creme de Leite Fresco 250 ml
Fava de Baunilha 1/2 Unidade
Gemas 5 Unidades
Açúcar 90 g
Açúcar para queimar Quanto baste

Modo de preparo
1. Corte a fava de baunilha ao meio e raspe os grãos.
2. Leve o leite, o creme de leite e a e os grãos e a fava da baunilha ao fogo até começar a ferver, quando iniciar a fervura desligue o fogo e reserve.
3. Misture as gemas com o açúcar.
4. Tire a baunilha de dentro do leite. Coloque um pouco do leite quente dentro dos ovos mexendo rapidamente sem parar, em seguida coloque esses ovos dentro da panela do leite e misture bem. (Esse método chama Liaison).
5. Coloque o creme dentro de ramequins (potinhos que podem ir ao forno).
6. Coloque água dentro de uma assadeira e os ramequins dentro (a água deve ficar até metade do ramequim para não molhar o creme), leve o banho maria ao forno pré-aquecido a 100oC por 45 minutos.
7. Quando estiver pronto tire do forno, deixe esfriar uns 5 minutos e leve à geladeira por no mínimo 3 horas antes de servir.
8. Para servir polvilhe açúcar nos cremes e queime com maçarico, ou com uma colher pesada e quente (deixar na boca do fogão), ou leve ao forno para dourar.

Obs: Você pode aromatizar o creme Brûlée como quiser, pode fazer de chocolate ou de castanhas brasileiras.

Origem do Crème Brûlée – França – Significa “Creme queimado”
Na Espanha a variação é o Crema Catalana e era aromatizado com casca de limão, laranja e canela.
Existe divergência sobre qual país criou primeiro a sobremesa, mas a origem mais conhecida é francesa.

TAPAS


As deliciosas "tapas" espanholas são tira-gostos que podem ser servidos frios ou quentes antes das refeições ou, hoje em dia, até mesmo substituí-las. É fato que, originalmente, as tapas consistiam apenas em azeitonas simples ou recheadas, fatias de morcela, presunto, queijos e legumes marinados e tortillas (as clássicas omeletes espanholas com batatas e cebolas), servidos com palitinhos ou sobre uma fatia de pão e para serem comidos em um ou dois bocados. Depois, foram incorporados outros embutidos e queijos variados, frutos do mar, peixes em conserva ou empanados. Mais tarde, vieram os tomates, ovos, pimentões e cogumelos recheados, os molhos diferentes e os detalhes de finalização. E sempre acompanhados por uma boa bebida, é lógico. São característicos da região de Andaluzia. As tapas não são apenas aperitivos. Na verdade, os chefes de cozinha a consideram uma entrada que antecede o prato principal. A origem das tapas ainda é discutida entre os historiadores. Alguns defendem que o nome do prato é derivado do verbo tapar e teria origem na Idade Média, quando o vinho era servido acompanhado por uma fatia de pão coberta por presunto, morcela e azeitona. Na época, os espanhóis utilizavam o pão como tampa para impedir que as insuportáveis moscas que apareciam no verão caíssem dentro dos copos de xerez, o delicioso vinho espanhol. Outros acreditam que as iguarias surgiram para aliviar a "árdua tarefa" de, ao cair da tarde, na hora do aperitivo habitual dos espanhóis, em vez de os trabalhadores passarem de bar em bar e somente bebericarem, passassem a receber como cortesia alguns tira-gostos para forrar o estômago e não cair de maduros (procede, não?). Alguns poucos bares de Madri ainda preservam a tradição de não cobrá-los. Também é defendida a idéia de que por ter a Espanha sido por muito tempo tomada pelos árabes, assimilou-se o costume das "mezzes", os tradicionais antepastos árabes comidos em bocados. A Real Academia da Língua Espanhola define as tapas como "qualquer porção de alimento capaz de acompanhar uma bebida". O modo de servir também sofreu algumas modificações. Alguns pratos típicos do país passaram a ser servidos em pequenas porções, degustados em pratinhos ou tigelinhas individuais com a ajuda de garfos. Atualmente, novos tipos de tapas feitas com os divinos ingredientes espanhóis aparecem todos os dias, não só pela capacidade e prazer de criar, mas gerados pela competição para atrair os clientes. Quem ganha com isso somos nós. Hoje em dia, existem incontáveis "bares de tapas" distribuídos por toda a Espanha. Turistas do mundo inteiro chegam em cidades famosas por suas tapas, como Sevilha, Barcelona ou San Sebastian, muitas vezes já procurando este ou aquele bar de tapas recomendado. As tapas incorporaram-se também à rotina de horário e necessidades dos espanhóis e, atualmente, pode-se substituir um almoço completo por porções de tapas no meio de um dia de trabalho árduo ou o jantar.

Tomate confitado com ervas frescas
Ingredientes para 4 Porções
Custo estimado da receita R$ 22,03
Custo estimado por porção R$ 5,51

Tomate 320 g
Sal 28 g
Azeite 160 ml
Alecrim Quanto baste
Sálvia Quanto baste
Tomilho Quanto baste
Manjericão Quanto baste
Baguete 1 unidade

Modo de preparo
1. Lave os tomates, corte ao meio e retire as sementes.
2. Tempere os tomates com o azeite e o sal.
3. Coloque as ervas por cima e leve ao forno a 180oC por 15 minutos.
Obs: Os tomates devem parecer crus (devem ficar levemente assados).
Servi com uma tábua de pães e presunto serrano, mas você pode servir só o tomate com pães. Com o presunto o valor total da receita seria R$ 30,00.



Vinagrete de polvo
Ingredientes para 4 Porções
Custo estimado da receita R$ 22,03
Custo estimado por porção R$ 5,51

Polvo 320 g
Cebola roxa 80 g
Limão siciliano 120 g
Sal 20 g
Azeite 120 g
Tomate 120 g
Coentro Quanto baste
Salsa Quanto baste

Modo de preparo
1. Coloque os tentáculos do polvo na panela de pressão, feche a panela e leve ao fogo. Quando começar a pressão aguarde 3 minutos, desligue o fogo e aguarde a pressão sair.
2. Corte as cebolas e os tomates em cubos pequenos.
3. Raspe a casca do limão siciliano e esprema o limão.
4. Pique bem a salsa e o coentro.
5. Tire o polvo da panela, corte em rodelas pequenas.
6. Misture tudo, corrija os temperos, deixe gelar até servir.


Batata brava
Ingredientes para 4 Porções
Custo estimado da receita R$ 12,28
Custo estimado por porção R$ 3,07

Batatas médias 400 g
Azeite de oliva para fritar as batatas 120 ml
Azeite de oliva 50 ml
Cebola picada 100 g
Alho picado 15 g
Pimentão vermelho 100 g
Tomate pelado 300 g
Massa de tomate 30 g
Açúcar 15 g
Sal 8 g
Pimenta dedo de moça em cubinhos (brunoise) 15 g
Páprica picante 15 g

Modo de preparo
Batata
1. Corte as batatas em tiras e divida ao meio. Frite as batatas no azeite, tempere com sal, escorra e reserve.

Molho
1. Aqueça o azeite na frigideira, coloque a cebola e frite em fogo baixo por 5 minutos.
2. Asse o pimentão inteiro e pique em cubos médios.
3. Junte o alho e o pimentão e continue fritando em fogo baixo por 3 minutos, mexendo ocasionalmente.
4. Junte os tomates para a frigideira e cozinhe por 20 a 30 minutos, mexendo ocasionalmente até que tenha engrossado. Se usar tomate pelado cozinhe por 5 minutos.
5. Adicione o açúcar ou a massa de tomate se desejar.
6. Coloque um pouco de pimenta, deixe cozinhar, experimente, e vá fazendo isso até ficar um molho picante, adicione a páprica também. Tempere com sal.
7. Bata no liquidificador ou passe pela peneira se desejar. Sirva em cima das batatas.


Sugeri servir os TAPAS com uma Sangria.
Eu fiz a Sangria com uva, pera, ameixa vermelha, pêssego e folhas de manjericão. Após colocar as frutas coloquei um vinho frisante.

Sangria (espanhol: sangria, que significa "derramamento de sangue") é um vinho punch típico da Espanha.

Composta de vinho, frutas, açúcar, gelo e soda.
Pode-se atribuir a origem da sangria ao Sul da Península Ibérica, especialmente à Região da Andaluzia, onde os andaluzes mais velhos conhecem a sangria das tascas e associam-na, quase sempre, às artes da tourada: Sangre del Toro (Sangue do Touro).
A sangria espanhola é como a nossa caipirinha, não é só uma bebida é uma tradição, e também cada um tem a sua receita.
Pode levar outras bebidas como aguardente (cachaça, no Brasil). Deve beber-se bem fresca e com cubos de gelo.
Em Portugal tradicionalmente adicionam-se especiarias (pau de canela) e ervas aromáticas frescas (hortelã). Em algumas versões de sangria é costume misturar também vários tipos de bebidas alcoolicas na sangria como por exemplo Licor Beirão ou Macieira. Em Portugal existem várias variedades de sangria algumas em vez de utilizarem vinho utilizam por exemplo champanhe com frutos vermelhos, como bagas de groselha, mirtilo e framboesas.
O vinho branco pode ser usado em vez de vermelho, caso em que o resultado é chamado blanca sangria ou, como na Argentina, clerical. Uma garrafa de Chardonnay vai muito bem neste caso. Algumas receitas que usam vinho tinto encorpado podem ser suavizadas através da mistura de uma garrafa vinho de branco na mistura. Em algumas partes do norte da Espanha, a sangria é chamado Zurra e é feita com pêssegos e nectarinas . Na maioria das receitas, o vinho é o ingrediente dominante e age como uma base.
Sangria é servida em toda a Espanha ,Portugal e até no Reino Unido durante o Verão, e no leste e sul do país espanhol durante todo o ano. Nesses lugares é uma bebida popular entre os turistas em bares , pubs e restaurantes onde é servida frequentemente em jarros ou outros recipientes grandes o suficiente para comportarem uma garrafa de vinho e os demais ingredientes adicionados.
Entre os espanhóis, sangria é mais tipicamente servida em reuniões sociais informais, a partir de um punchbowl . Sangria é frequentemente servida com uma concha, usada para obter frutos do fundo do punchbowl ou jarro. Sangria é tambem comumente servida no México , Chile e Argentina .
Sangria tornou-se popular ao longo da costa do Mediterrâneo - nenhuma refeição fica completa sem uma jarra no verão!