Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Curso de Vinhos em Sorocaba

Você tem vontade de conhecer um pouco sobre vinhos de forma dinâmica?
Em outubro teremos um curso básico e rápido sobre vinhos, venha desvendar os segredos com a gente...


quarta-feira, 31 de julho de 2013

Curso de Cervejas

Olá

Dia 22/07 tive a oportunidade de participar de um curso de cervejas no Cervejário em Sorocaba.
Vale a pena conhecer e eles estão fazendo esse curso quase toda semana.
Para quem quer informações:

Inscrições para o Curso de Degustação (Iniciante) - Contato: info@cervejario.com
(15) 9722-2491
Local: Cervejario Loja & Bar 2 - Avenida Afonso Vergueiro 2800 - (No estacionamento da Padaria REAL)

Algumas fotos para ficarem com vontade...













terça-feira, 30 de julho de 2013

Matéria da Revista Pense Leve

Bom dia amigos

Saiu uma matéria sobre carne de búfalo na Revista Pense Leve de 07/13.
É uma carne muito saudável, nutritiva, macia, com pouca gordura; e principalmente: muito saborosa.
A revista impressa traz a matéria com os benefícios dessa carne deliciosa, e no blog vocês encontram as receitas...
As carnes das fotos são do Frigorífico Cowpig de Boituva e as fotos são do Ivam Grambek, empresa e profissional que recomendo sempre... E as receitas são minhas...

Macia e Saudável

Pesquisas revelam Que carne de búfalo TEM Menos colesterol, Gordura e Calorias Que faça um bovina; ASSIM, o Alimento Torna-se UMA excelente alternativa parágrafo QUEM Localidade: Não dispensa hum filé não cardápio, SEM pesar na Saúde
Fique Ligada! Sempre Que encontrar ESSE selo Pelo blog, Saiba Que São Informations extras sobre assuntos publicados na Edição 252 - Julho de 2013
Estrogonofe de carne de búfalo


Quant.
Unidade
Ingrediente
4
Colheres de sopa
Manteiga
2
Colheres de sopa
Azeite
1
Kilograma
Carne em tiras finas (filé mignon, contra-filé ou, alcatra) de Búfalo
2
Unidades
Cebolas em cubos pequenos
1/2
Colher de sopa
Sal
1
Colher de café
Pimenta do reino
1/2
Xícara de chá
Conhaque
200
Gramas
Champignons em conserva cortados ao meio
1
Lata
Tomate pelado em cubos pequenos (reservar o líquido)
2
Colheres de sopa
Catchup
1
Colher de sopa
Mostarda
200
Gramas
Creme de leite fresco ou de caixinha
1
Colher de sopa
Extrato de tomate
2
Galhinhos
Folhas de tomilho


Preparo:1.     Em uma frigideira grande, aquecer três colheres da manteiga com uma colher de azeite, e dourar a carne, aos poucos, em fogo alto (ir retirando a carne). Reservar.
2.     Colocar a outra colher de azeite na frigideira, abaixar o fogo no mínimo e acrescentar o extrato de tomate mexendo com uma colher de pau até secar (de 5 a 10 minutos).
3.     Acrescentar o restante da manteiga e refogar a cebola. Juntar a carne, temperar com sal e a pimenta-do-reino.
4.     Colocar o conhaque, inclinar levemente a frigideira para que pegue fogo. Deixar flambar até acabar a chama.
5.     Juntar os champignons, os tomates picados e o suco da lata, o catchup e a mostarda e misturar bem.
6.     Abaixar o fogo, tampar a panela e deixar cozinhar por cerca de 5 minutos.
7.     Acrescentar o creme de leite e o tomilho e retirar do fogo quando começar a ferver.
Servir acompanhado de arroz e batata palha.
Rendimento | 5 Porções

Prime Rib de Búfalo com Salada de Quinoa

Quant.
Unidade
Ingrediente
800
Gramas
Prime Rib de Búfalo
120
Mililitros
Azeite
15
Gramas
Sal
5
Gramas
Pimenta do reino
Salada de Quinoa
120
Gramas
Quinoa em grãos
30
Gramas
Sal
60
Mililitros
Azeite
2
Unidades
Limão siciliano (raspas e suco)
60
Gramas
Cenoura ralada
60
Gramas
Pepino japonês em cubos pequenos

Preparo:1.     Aquecer o forno à 230oC.
2.     Aquecer uma frigideira, acrescentar 1 colher de azeite e selar (deixar dourar rapidamente com pouca gordura) o prime rib de búfalo temperado com sal e pimenta do reino (2 a 3 minutos).
3.     Levar a carne ao forno de 15 a 20 minutos (depende do ponto da carne que você quer).

Para a Salada de Quinoa1.     Cozinhar a quinoa com água e 1 colher de sal por 20 minutos (até ficar macia).
2.     Acrescentar a cenoura e o pepino cortados. Temperar com 1 colher de sal, o limão siciliano (raspas e suco) e o azeite (o ideal é temperar quente).
3.     Levar a geladeira para esfriar por 20 minutos antes de servir.
Obs. Se quiser substituir por limão Tahiti usar apenas 1 unidade.
Rendimento | 4 Porções
Crédito : Frigorífico CowPig / Cozinha Experimental CowPig

domingo, 28 de julho de 2013

Segundo Curso de Formação Profissional em Vinho na ABS de Sorocaba

Olá pessoal

Para quem gosta de vinhos ou quer se profissionalizar, essa é a oportunidade.
A ABS (Associação Brasileira de Sommelier) de Sorocaba está trazendo novamente esse curso, ministrado por grandes especialistas de vinhos do Brasil, que ministram esse curso em São Paulo, porém dentro de um período menor do que o de S. Paulo.

Público alvo: profissionais de lojas, adegas, supermercados, estudantes de hotelaria e gastronomia, e pessoas que gostam de vinho.

Metodologia: aulas teóricas com uso de multimídia e degustação de vinhos.

O curso será ministrado em 6 módulos, cada um com 12 horas de duração.
As aulas serão aos sábados das 9:00 às 13:00 e das 14:00 às 18:00 e aos domingos das 8:30 às 12:30.
As datas: 24 e 25/08; 21 e 22/09; 19 e 20/10; 09, 10 e 30/11 e 01/12/13.

Avaliação: 3 provas com testes de múltipla escolha e avaliação dissertativa de 1 vinho.

Local: Salão de eventos do Colégio Salesiano São José - R. Gustavo Teixeira, 411 - Sorocaba - SP

Professores: Mário Telles Júnior, José Luiz A. Borges, Arthur Azevedo

Investimento: Associados ABS, estudantes de gastronomia, hotelaria, garçons, trabalhadores do segmento de venda de vinhos - R$ 400,00 por módulo.
Não associados e pessoas não referidas nas categorias acima - R$ 450,00 por módulo.

Informações e reservas:
Julieta: (15) 3222-2839 / 8117-5124
Bezerra: (15) 3222-2513 / 9778-8436
Rose: (15) 9726-7780 - rosefg@globo.com

O certificado será emitido em conjunto com a ABS/SP, reconhecido em todo o Brasil e exterior.

www.Abs-sorocaba.com.br
www.abs-sp.com.br

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Queijos e vinhos na ABS/SP

Pessoal para quem gosta de queijos e vinhos é uma grande oportunidade para entender as harmonizações corretas entre ambos.

Reunir amigos para degustar uma boa variedade de queijos, acompanhados por diferentes vinhos, escolhidos à dedo para a ocasião, é sempre um grande programa.

           
  
Reunir amigos para degustar uma boa variedade de queijos. Pois é exatamente isso o que faremos na ABS, na próxima quarta-feira, dia 31 de julho: reunir os amigos, ou seja, nossos associados, para provar queijos e vinhos, num ambiente informal e descontraído. Para tornar essa noitada ainda mais interessante, selecionamos apenas queijos brasileiros, produzidos de forma artesanal em diferentes pontos do país: Minas Gerais, é claro, mas também Pernambuco e Rio Grande do Sul. Para acompanhá-los, foram escolhidos quatro vinhos de grande personalidade -- um tinto, dois brancos e um vinho doce do Jurançon -- para tentar responder à eterna questão: que tipo de vinho combina melhor com que tipo de queijo. Mesmo que não cheguemos a conclusões definitivas, certamente vamos nos divertir com as inúmeras possibilidades de harmonização oferecidas por esse agradável e instigante desafio. Não perca essa oportunidade e faça logo sua inscrição.
                           
 
Queijos que serão degustados:
- Salitre
- Serra
- Gonzagão
- Azul do Bosque
- Parmesão defumando
- Serrano

Vinhos:
- Daisy Rock Pinot noir 2008
- Soalheiro Alvarinho 2012
- Domaine Bordenave-Coustarret 2008
- Zind-Humbrecht-Herrenweg de Turckheim Pinot Gris 2003

Data: 31/07/13 às 20:00
Local: Rua Gomes de Carvalho, 1327/1329, 2º Andar, Conjunto 21
Edifício Olímpia Park, Vila Olímpia - 04547-005 - São Paulo / SP

terça-feira, 25 de junho de 2013

Bolo de Chocolate com Pudim, uma receita bastante saborosa!

Boa tarde pessoal, vagando pelo universo gastronomico na web encontrei essa deliciosa receita de Bolo de Chocolate com Pudim, essa é a próxima sobremesa que farei, tem cara de vó, tem cara de sobremesa de domingo!

- Bolo - 
1/2 xicara de chá Manteiga 
1 xicara de chá Açúcar
3un Ovos
1 1/2 xicara de chá Farinha de trigo
1 colher de sopa Fermento em pó
1/2 xicara Leite
1/2 xicara Chocolate em pó

- Pudim -
1 lata Leite condensado
2 1/2 xicara Leite
3un Ovos

- Caramelo - 
Açúcar (1 xicara de chá)

- Preparação -
Caramelize a forma com o açúcar.
Bolo: bata bem na batedeira a manteiga com o açúcar e os ovos. Junte a farinha de trigo, o chocolate, o fermento e o leite, sempre batendo, até obter uma massa homogênea. Coloque a massa na forma preparada com a calda.

Pudim: bata no liquidificador o leite condensado, o leite e os ovos. Despeje lentamente sobre a massa.

Leve ao forno quente, pre-aquecido, em banho-maria por cerca de 1 hora ou até que, enfiando um palito no centro, ele saia seco.

Deixe esfriar e leve a geladeira. Desenforme gelado!

Bom apetite!

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Regras de Etiqueta da Comidda Japonesa

A cozinha japonesa prima pela harmonia de todos os seus elementos, pois o seu povo cultua muito a natureza nos mínimos detalhes. Todos os pratos são servidos e apresentados com extrema sensibilidade.

A mão que serve o prato
Na etiqueta, a regra não poderia ser diferente. Foram os samurais que estabeleceram a ética de conduta por volta do século XVI. Com o passar do tempo estas regras se popularizaram. Um dos exemplos clássicos está na maneira de servir as pessoas: a mão direita significa que se trata de um aliado, e a esquerda um inimigo.
Hashi
Não se deve cravar um hashi em um restaurante ou casa japonesa em nenhum alimento. Esta atitude só é permitida nos oratórios, templos budistas ou shintoístas para as pessoas que já morreram.
saquê
Existe um ritual especial à mesa para tomar o saquê. Levante o seu copinho para receber a bebida, servida sempre por seu vizinho de mesa, apoiando-o com a mão esquerda e segurando-o com a direita. É imprescindível que você sirva o seu vizinho de mesa porque não é de bom tom servir a si próprio. O copo de saquê deve sempre ficar cheio até o final da refeição. A tradição manda fazer um brinde, Campai, esvaziando o copinho num só gole. É sinal de hospitalidade e atenção.
Barulhos
Faz parte da etiqueta produzir barulhinhos ao comer macarrão ou tomar sopas. Mas atenção: arrotar é considerado extrema falta de educação!

terça-feira, 4 de junho de 2013

Doces segredos: Os Vinhos de Sobremesa

Vinhos doces são espetaculares para serem apreciados na sobremesa. Combinam com frutas secas, doces em compotas, bolos, frutas frescas e até mesmo com queijos tipo Gorgonzolla. 
São vinhos com alto teor de açúcar, o que muitas vezes confere ao vinho um aspecto licoroso.
Alguns tipos de vinhos doces ou licorosos, destacaram-se pelo mundo devido às suas tradições e qualidades. São eles: 
Vinhos Tokaj - São vinhos produzidos com uvas botritizadas (atacadas por um fungo benéfico) na região denominada Tokaj-Hegyalja na Hungria (daí o nome Tokaji ou Tokay). Em sua maioria são vinhos brancos, de coloração amarela palha intensa (cor de mel).  
Vinhos Sauternes - São vinhos da região próxima de Bordeaux-França. Nem todos os vinhos Sauternes são doces. Somente em anos de boa safra (vintage), quando as uvas são infectadas pelo fungo Botrytis Cinerea. Outro vinho famoso dessa delimitação é o Barsac, proveniente de um sub-distrito de Sauternes. 
Vinhos do Porto - São vinhos portugueses da região que leva o nome do vinho. São encontrados também na versão doce com estágio em carvalho e que tiveram adição (fortificação) de destilado de uva. Os tipos mais populares encontrados em gôndolas de supermercados, adegas e importadoras são o Ruby (tinto), White ou Tawny. 
Exemplos de vinhos do Porto com boa relação custo-benefício: Porto Comenda, Real Companhia Velha e Adriano's. 
Vinhos Marsala - É um vinho produzido na região de Marsala (Sicilia-Itália), É um vinho fortificado e tem pelo menos 12% de álcool, que pode ser fabricado doce. 
É oxidado como o vinho madeira. Tipos de marsala: Fine, Superiore, Superiore Riserva, Vergine, and Vergine Stravecchio or Vergine Riserva. 
Vinhos Late Harvest - São vinhos elaborados com uvas colhidas tardiamente. Quando as uvas passam da época certa da colheita, começam a ficar mais passadas, enriquecendo o teor de açúcar. São vinhos menos encorpados e menos licorosos, mas com preços mais acessíveis que os vinhos Tokaj e Porto. Regiões com climas quentes (por exemplo o Vale do São Francisco no Nordeste brasileiro), têm conseguido obter bons vinhos desse tipo, como o "Miolo Terranova Late Harvest",  
Outros tipos de vinhos licorosos: Além desses famosos vinhos, podemos citar vinhos moscatel, produzidos com uvas do tipo moscato (em francês: Muscadelle) ou ainda os vinhos espanhóis de Jerez. 

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Que tal preparar um Hamburguer Caseiro?


HAMBURGUER CASEIRO

Ingredientes:

  • 1 dente de alho picado
  • Sal a gosto
  • Pimenta-do-reino a gosto
  • Tomilho fresco a gosto
  • 1/2 cebola picada
  • 1/2 quilo(s) de carne moída
  • Azeite para fritar
  • 6 fatias de queijo prato
  • 1 colher(es) de sopa de manteiga
  • 2 xícara(s) de café de cogumelos de paris fatiados
  • Folhas de sua preferência para acompanhar

Modo de preparo:Em uma tigela misture o alho, sal, pimenta, tomilho, cebola e a carne. Reparta a carne misturada em seis partes iguais e molde em formato de bolas. Usando as mãos achate as bolinhas até formar um disco (hambúrguer). 

Coloque os hambúrgueres em um prato e cubra com um plástico. Leve a geladeira por aproximadamente 30 minutos, isso fará com que eles fiquem mais firmes e fáceis de preparar. 

Aqueça uma frigideira em temperatura média. Coloque o azeite e frite cada lado dos hambúrgueres. Um pouco antes de dar o ponto, coloque sobre cada carne uma fatia de queijo e abafe a panela com uma tampa para que ele derreta. Reserve. 

Frite cada disco por aproximadamente sete minutos de cada lado, ou até que fiquem cozidos por igual. Se preferir mal passado, deixe no fogo por no máximo cinco minutos de cada lado. 

Na mesma frigideira coloque a manteiga e salteie os cogumelos fatiados. Acerte sal e pimenta e sirva com o hambúguer. Escolha as folhas de sua preferência (como alface, rúcula ou agrião) e coloque também como guarnição.

sábado, 25 de maio de 2013

Os diferentes tipos de sushis

Existem vários tipos diferentes de sushis e, de acordo com o formato e recheio, recebem nomes diferentes. Os mais conhecidos são:

Califórnia: versão americanizada de uramaki, é uma boa opção para quem não gosta de peixe cru. Vem com kani, pepino e manga (ou abacate). Algumas vezes o sushiman inclui maionese, outras vezes cream cheese.



Hossomaki: é o arroz e o recheio envoltos em alga marinha. Hosso quer dizer fino e maki significa "enrolado", daí, "enrolado fino". Conforme o recheio usado, o hossomaki leva um nome diferente:
Tekamaki - de atum.
Kapamaki - de pepino.
Shakemaki - de salmão.



Nigiri: bolinho de arroz em forma alongada coberto com fatias de peixe cru ou ainda polvo e camarões. Sempre preparados à mão sem a ajuda de esterinhas ou formas e apresentados em pares. O movimento da mão ao fazer este bolinho leva o nome, em japonês, de niguiri, daí o nome deste sushi. As pessoas tendem a "molhar" o arroz do niguiri no shoyo, mas o certo conforme a cultura oriental é "molhar" o peixe.


Norimaki: bolinho de arroz enrolado em alga de nori. Este sushi é recheado com omelete, pepino, maionese, abacate, alface, camarões e lulas.


Temaki: é o cone de alga recheado com arroz, peixe e pepino. O nome quer dizer "enrolado na mão" (Te=mão). A alga marinha do temaki tem que estar bem sequinha e crocante. Se você demora para comer (quando pede para entregar em casa, por exemplo), a alga amolece com a umidade e fica "borrachenta".


Uramaki: arroz sobre folha de nori (alga), tiras de peixe ou outros ingredientes, enrolado de forma que o arroz fique na parte externa. Ura quer dizer "fora". O uramaki normalmente vem com gergelim, que além de enfeitar, dá um sabor especial. Depois é cortado em 6 unidades. O mais conhecido é o uramaki califórnia.



Com o crescente mercado de sushis a criatividade dos sushiman uma enorme variedade de modelos, cortes e ingredientes passou a ser oferecida. Algumas condenáveis como os sushis com frutas e com recheios de queijo ou empanados. Alguns mestres tradicionais torcem o nariz e se recusam a preparar estas novidades. 

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Vinho do Porto, um pequeno resumo.


O vinho do Porto é um vinho natural e fortificado, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da região demarcada do Douro, no norte de Portugal a cerca de 100 km a leste do Porto E apesar de produzida com uvas do Douro e armazenada nas caves de Vila Nova de Gaia, esta bebida alcoólica ficou conhecida como "Vinho do Porto" a partir da segunda metade do século XVII por ser exportada para todo o mundo a partir desta cidade.
A "descoberta" do Vinho do Porto é polêmica. Uma das versões, defendida pelos produtores da Inglaterra, refere que a origem data do século XVII, quando os mercadores britânicos adicionaram brandy ao vinho da região do Douro para evitar que ele azedasse. Mas o processo que caracteriza a obtenção do precioso néctar era já conhecido bem antes do início do comércio com os ingleses.
 O que torna o vinho do Porto diferente dos restantes vinhos, além do clima único, é o fato de a fermentação do vinho não ser completa, sendo parada numa fase inicial (dois ou três dias depois do início), através da adição de uma aguardente vínica neutra (com cerca de 77º de álcool). Assim o vinho do Porto é um vinho naturalmente doce (visto o açúcar natural das uvas não se transformar completamente em álcool) e mais forte do que os restantes vinhos (entre 18 e 22º de álcool).

terça-feira, 14 de maio de 2013

Cortes de Carnes


Segundo o chef Alain Jacot, para se ter um bom bife, ele deve ser cortado ao contrário da fibra. "Se a gente cortar a favor da fibra, ele certamente ficará duro. Qualquer carne tem que estar lisa", lembra. 

Vale ressaltar que a qualidade da carne também é muito importante e precisa ser de uma fonte confiável, de um local com higiene. A carne tem que ter um tom vermelho cereja e um cheiro agradável. #FicaaDica.





Filé mignonÉ o corte mais macio de carne bovina. Um filet mignon inteiro tem aproximadamente 2 quilos. Tem sabor adocicado e menos acentuado que a alcatra e o contrafilé, é suculento e tem pouca gordura. É ideal para bifes, como tournedor, medalhão, escalope, estrogonofe e também para rosbifes, assados, refogados e picadinhos. Fica bem acompanhado de vários tipos de molhos. Para churrasco, pode entrar como um ingrediente do espetinho misto ou xixo, ou preparado em bifes grossos na grelha ou inteiro no espeto.



Alcatra
A alcatra é macia e tem pouca gordura, sendo ideal para bifes, refogados, assados e ensopados. Fica excelente no churrasco, tanto no espeto ou em bifes grossos na grelha. Evite cortes finos, pois a carne poderá ressecar.



Picanha

Parte macia, mais marmorizada e com capa de gordura, tem sabor acentuado. É de fácil preparo e muito suculenta. É própria para churrascos, podendo ser assada inteira ou em postas no espeto ou na grelha. É boa para assados, bifes ou carne de panela. É importante prepará-la com a gordura para que o sabor e maciez fiquem mais acentuados, podendo-se retirá-la na hora do consumo. Se houver ainda uma membrana prateada na parte inferior da picanha, retire-a antes do preparo para evitar que a carne encolha durante o cozimento. Lembre-se que a picanha pesa entre 1 quilo e 1 quilo e meio, portanto se você encontrar picanhas maiores à venda saiba que na verdade há uma parte de coxão duro que não foi separada do corte sendo vendida junto.



Coxão mole
Com fibras curtas e macias, é um corte macio que fica bom em assados, ensopados, picadinhos, escalopes, milanesas, bifes finos e enrolados, ou então moídos para refogados e molhos.




Patinho
Menos macio que a alcatra, é usado para bifes à milanesa e preparações de carne moída crua, como o quibe e o steak tartar, ou então moída, cozida em refogados, molhos, bifes e assados. A parte inferior do patinho é um dos melhores cortes para escalope. Ideal também para picadinhos como o boeuf bourguignon (de origem francesa), goulash (origem húngara) ou spezzatino (origem italiana).




Lagarto
De cor mais clara, fibras longas e magras, tem formato arredondado, alongado e bem definido. Preparo típico é a carne de panela, carne desfiada (carne louca) podendo ainda ser usado em assados e rosbifes. Pode ser recheado com lingüiça ou vegetais e ovo e assado no forno. Ainda cru e cortado em fatias bem finas, produz o famoso carpaccio.



quinta-feira, 9 de maio de 2013

Tanicidade

Afinal o que é tanicidade?
Um das substâncias mais presentes e as vezes mais inconvenientes em um vinho é a presença do tanino
, um elemento contido só nos tintos e dá a impressão de travar a boca. Quanto mais baixa a temperatura, mais evidente ele fica, tornando o vinho desagradável se a bebida estiver gelada. Essa substância está presente nas cascas e nas sementes das uvas, presente também na madeira do tonéis. 

O fundamental na vinificação dos tintos é a maceração, que consiste em manter um contato com os taninos das sementes e cascas, isso ajuda a dar a cor aos tintos. Na cuba de fermentação, teremos uma massa uniforme com polpas, cascas e sementes, assim que começar a inoculação das leveduras, esse processo liberará CO2, fazendo com que a polpa e a semente fiquem na superfície, ficando assim não haverá a maceração, o enólogo fará a remontagem que é fazer a polpa do fundo, através de bombas, "molhar" a superfície, fazendo com que haja a maceração. Depois que o vinho estiver descansando nos tonéis de madeira, ele absorverá taninos da madeira.
Certo, tudo isso parece ser muito bonito, mas afinal o que isso interfere no vinho, vocês devem estar se perguntando isso.
Muita coisa, um vinho tânico produz aquela sensação na parte interna da boca e na gengiva que parecem que enrugam, a mesma sensação que quando comemos uma banana verde, parece que "amarra"a boca.
Vinhos muito tânicos não são assim para ter sabor agradável agora, mas esperam que um dia sejam grandes vinhos, com o valor e o reconhecimento que todos almejam. O tanino age como um conservante para prolongar a vida ativa dos tintos. Os vinhos possuem a capacidade de absorver toda espécie de elementos aromáticos, mas precisam de tempo para eles se ligarem e formarem vinhos espetaculares.  Trabalho esse do enólogo que determinará o quanto de tanino deverá ter o vinho afim de equilibrar os outros elementos aromáticos.
Conforme os vinhos vão amadurecendo seus taninos vão ficando menos evidentes e tornando-se mais suaves, os aromas baseados em frutas começam a despertar.
Hoje em dia há muitos vinhos em que o enólogo projeta o vinho para ter poucos taninos para ser consumido jovens.